sábado, 29 de novembro de 2008

Tempo de Natal



A Igreja em sua missão de ir pelo mundo levando a Boa Nova quis dedicar um tempo para aprofundar, contemplar e assimilar o Mistério da Encarnação do Filho de Deus; conhecemos este tempo como o Natal. Perto da antiga festa judaica das luzes e buscando dar um sentido cristão às celebrações pagãs do solstício de inverno, a Igreja aproveitou o momento para celebrar o Natal.
Nesse tempo os cristãos por meio do Advento se preparam para receber o Cristo, luz do mundo" (Jo 8, 12) em suas almas, retificando suas vidas e renovando o compromisso de segui-lo. Durante o Tempo de Natal assim como no Tríduo Pascal da semana Santa celebramos a redenção do homem graças à presença e entrega de Deus; mas diferentemente do Tríduo Pascal em que recordamos a paixão e morte do Salvador, no Natal recordamos que Deus se fez homem e habitou entre nós.
Assim como o sol afasta a trevas durante a alvorada, a presença de Cristo irrompe nas trevas do pecado, do mundo, do demônio e da carne para mostrar-nos que é o caminho a se seguir. Com sua luz nos mostra a verdade de nossa existência. Cristo é a vida que renova a natureza caída do homem e da natureza. O Natal celebra essa presença renovadora de Cristo que vem salvar o mundo.
A Igreja em seu papel de mãe e mestre por meio de uma série de festas busca conscientizar o homem deste fato tão importante para a salvação de seus filhos. Por isso, é necessário que todos os fiéis vivamos com reto sentido a riqueza da vivência real e profunda do Natal.

Viva com itensidade este Tempo Santo do Advento!

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

A Igreja e a Juventude

Dom Paulo Mendes Peixoto
Bispo-São José do Rio Preto

Devemos constatar, de início, que a Igreja olha, com carinho, para a juventude. É sua missão evangelizar o jovem. Para isto precisa chegar até ele. Deve encontrar caminhos para isto. Talvez podemos concluir que um deles seja a espiritualidade. A Igreja conta com instrumentos, com pessoas e com momentos especiais para isto. O principal instrumento mesmo é o próprio jovem, isto é, jovem evangelizando jovem. Se um dos caminhos é a espiritualidade, a marca visível é a sintonia com Jesus Cristo, o seguimento de seu projeto, podendo, com isto, superar muitas dificuldades. É importante a oração, no nível pessoal e no comunitário. Também as celebrações são momentos fortes de vida espiritual. Isto revigora as forças do jovem, criando nele comunhão fraterna. Todo jovem é convidado a fazer experiência de fé participando na vida da comunidade cristã. O seu envolvimento comunitário faz-lhe superar muitas crises. Além de criar fraternidade, ocasiona felicidade. Ali ele se evangeliza e se transforma em evangelizador. Reza a Palavra de Deus e encontra novos caminhos de vida. Jesus é o caminho, a verdade e a vida. Acreditar na Palavra de Deus é essencial para o crescimento do jovem. Ele passa a identificar-se com o projeto de vida querido pelos ensinamentos divinos. A conseqüência será uma felicidade segura e duradoura. A sua caminhada vai sendo enriquecida com a participação também nos sacramentos, que amadurecem a fé. É feliz quem vive no compromisso cristão, e perde esta força quem se distancia da vida da comunidade cristã. A formação e a espiritualidade na vida do jovem são essenciais. Poderão lhe dar rumo, segurança e serenidade na caminhada. Ele precisa experimentar essa realidade, criando alegria na sua vida. Mas tudo passa por um processo de formação constante para ajudá-lo a superar sua vulnerabilidade. O jovem possui um potencial cheio de idealismo, mas tem que amadurecer na sua prática de fé. O jovem precisa criar interesse pela evangelização. Isto supõe um diálogo aberto com ele de forma moderna, integrando o racional, o simbólico, o afetivo e as realidades. O encontro com Jesus às vezes passa pelo simbólico, mas deve unir fé e vida na experiência humana. Está aí a importância da participação no grupo de jovens, porque ele permite uma educação na fé. É espaço privilegiado de formação. Quem assimila o Evangelho quer partilhá-lo. Assim, os jovens que estão na Igreja devem mobilizar os que estão de fora. Eles têm poder de comunicação e de convencimento de outros colegas. Não só trazendo jovens para a Igreja, mas para assumirem compromissos com a sociedade, construindo um Brasil mais justo e solidário, uma sociedade conforme o querer de Deus. Devemos constatar, de início, que a Igreja olha, com carinho, para a juventude. É sua missão evangelizar o jovem. Para isto precisa chegar até ele. Deve encontrar caminhos para isto. Talvez podemos concluir que um deles seja a espiritualidade. A Igreja conta com instrumentos, com pessoas e com momentos especiais para isto. O principal instrumento mesmo é o próprio jovem, isto é, jovem evangelizando jovem. Se um dos caminhos é a espiritualidade, a marca visível é a sintonia com Jesus Cristo, o seguimento de seu projeto, podendo, com isto, superar muitas dificuldades. É importante a oração, no nível pessoal e no comunitário. Também as celebrações são momentos fortes de vida espiritual. Isto revigora as forças do jovem, criando nele comunhão fraterna. Todo jovem é convidado a fazer experiência de fé participando na vida da comunidade cristã. O seu envolvimento comunitário faz-lhe superar muitas crises. Além de criar fraternidade, ocasiona felicidade. Ali ele se evangeliza e se transforma em evangelizador. Reza a Palavra de Deus e encontra novos caminhos de vida. Jesus é o caminho, a verdade e a vida. Acreditar na Palavra de Deus é essencial para o crescimento do jovem. Ele passa a identificar-se com o projeto de vida querido pelos ensinamentos divinos. A conseqüência será uma felicidade segura e duradoura. A sua caminhada vai sendo enriquecida com a participação também nos sacramentos, que amadurecem a fé. É feliz quem vive no compromisso cristão, e perde esta força quem se distancia da vida da comunidade cristã. A formação e a espiritualidade na vida do jovem são essenciais. Poderão lhe dar rumo, segurança e serenidade na caminhada. Ele precisa experimentar essa realidade, criando alegria na sua vida. Mas tudo passa por um processo de formação constante para ajudá-lo a superar sua vulnerabilidade. O jovem possui um potencial cheio de idealismo, mas tem que amadurecer na sua prática de fé. O jovem precisa criar interesse pela evangelização. Isto supõe um diálogo aberto com ele de forma moderna, integrando o racional, o simbólico, o afetivo e as realidades. O encontro com Jesus às vezes passa pelo simbólico, mas deve unir fé e vida na experiência humana. Está aí a importância da participação no grupo de jovens, porque ele permite uma educação na fé. É espaço privilegiado de formação. Quem assimila o Evangelho quer partilhá-lo. Assim, os jovens que estão na Igreja devem mobilizar os que estão de fora. Eles têm poder de comunicação e de convencimento de outros colegas. Não só trazendo jovens para a Igreja, mas para assumirem compromissos com a sociedade, construindo um Brasil mais justo e solidário, uma sociedade conforme o querer de Deus.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Videos Da DMJ apresentados na Avaliação 2008

video

video

XIX Cerco da Missericórdia



"Faça o e verá a gloria de Deus acontecer

De 16-23 de novembro na igreja matriz
Participe deste momento com Jesus Eucaristico!

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Avaliação e Planejamento Dmj

Dia 16 de novembro
Local: Fazenda Nova York
Das 10h as 17h
Nesse dia vamos agradecer a DEUS pelos trabalhos q realizamos no ano de 2008 e planejar nossos trabalhos missionários de 2009 com o Pe José Eduardo .



Imaculado Coração de Maria


A Paróquia de Icém recebe a imagem peregrina do Imaculado Coração de Maria - Padroeiro da Diocese de São José do Rio Preto.
PROGRAMAÇÃO DA IMAGEM PEREGRINA NOS SETORES
Dias 20 e 21 - setor 1 e 2
Dias 22, 23 e 24 - setor 3
Dias 25, 26 e 27 - setor 4 e 5
Dias 28, 29 e 30 - setor 6
Dias 31, 1 e 2 - setor 7
Dias 3, 4, 5 e 6 - setor 8
Dias 7, 8 e 9 - setor 9
Dias 10, 11, 12 e 13 - setor 10
Dias 14 e 15 - setor 11
Dias 16 e 17 - setor 12
Dias 18, 19, 20 e 21 - setor 13
Dias 22 e 23 - setor 14
Dias 24 e 25 - setor 15
Dias 26, 27 e 28 - setor 16
Abra o seu coração, a porta da sua casa e receba com carinho e devoção o Imaculado Coração de Maria

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

DMJ em Missão em ICÉM

Ser Missionario...


Fotos tiradas recentemente no mês de Outubro em 2 dias em que foram realizadas visitas missionaras em Icém.


Ser missionário não é privilégio de determinadas pessoas, mas a essência de ser cristã: “Anunciar o evangelho é necessidade que se me impõe”. (I Coríntios 9:16). É um compromisso de toda a comunidade que vive e transmite a sua fé. “Nenhuma comunidade cristã é fiel à sua vocação se não é missionária”.

Ser missionário não é só percorrer grandes distâncias, ir para outros continentes, mas é a difícil viagem de sair de si, ir ao encontro do outro, ir ao encontro do “diferente”, ir ao encontro do marginalizado – o preferido de Jesus.

O evangelismo “com renovado ardor missionário” exige que a pregação do evangelho responda aos “novos anseios do povo”.



Exige de mim, de você, de todos nós, uma abertura constante, pessoal e comunitária para responder aos desafios de hoje. É a missão de fidelidade ao “envio” de Jesus: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (João 20:21). Sem entusiasmo e esta convicção, arriscaremos perder a alegria do anúncio da boa-nova libertadora.

Como conseqüência deste assumir o compromisso missionário, nasce novo estilo de missões: não levar, mas descobrir. Não só dar, mas receber. Não conquistar, mas partilhar e buscar juntos. Não ser mestre, mas aprendiz da verdade. A missão nos permite criar novos laços, novas relações, um novo jeito de olhar a vida, um novo jeito de ser igreja.


E aí vai o desafio: como eu posso ser missionário em minha casa, no trabalho e na comunidade em que vivo? Assumo o compromisso de cristão, vivendo e transmitindo a boa-nova da paz, da justiça, do amor, do perdão, da fraternidade, da acolhida?... Ser missionário é fazer uma decisão radical de entrega total ao reino de Deus em prol da promoção humana.


Extraído do Boletim nº.35/2003 da I.P.Vila Pinheiro, Jacareí-SP